Gesoni Pawlick

Nascido em 1946 no interior de Santa Catarina, Gesoni Pawlick, mudou-se para Florianópolis aos 13 anos e percorreu um grande caminho antes de chegar ao topo da Alta Moda no Brasil.

Apesar da infância mais humilde, Gesoni sempre foi muito alegre e carismático. De fácil convívio, fazia amizades com facilidade, e conheceu pessoas de classe alta na juventude, podendo aprender e admirar ícones da pintura e música. Pró-ativo e disposto ao trabalho, nunca lhe faltou emprego ou oportunidades para seu sustento.

De vida simples, em 1974, trabalhava como vendedor em uma loja de tecidos no centro de Florianópolis. Logo depois, buscando maior remuneração, trocou o emprego no comércio pelo ofício de corretor de imóveis.

Aos 32 anos, já casado, e com a esposa grávida da sua primeira filha, Luhana Pawlick, viu a necessidade de elevar a renda do lar. Usou de seu conhecimento têxtil adquirido como vendedor de tecidos e como figurinista no teatro para dar início a sua trajetória como estilista de Alta-Costura.

Modesto, usando pedaços de rendas e tecidos que ganhava da loja onde trabalhou, e com a ajuda da esposa na parte de bordados e corte, começou a confeccionar para amigos e familiares. Criativo e autodidata, além de 
perfeccionista nas peças que produzia, interesses e elogios eram alcançados a cada baile e evento que iam, formando e expandindo sua clientela através dos admiradores das peças que produzia para sua esposa e para si.

Não tendo mais como conciliar o trabalho na área imobiliária e a confecção das peças, e inspirado e encorajado pelo amigo Galdino Lenzi, também catarinense e estilista, em 1979 voltou-se totalmente a costura, contando com uma pequena equipe de costureiras, bordadores e alfaiates.

Com o aumento da procura por suas criações e já notado por profissionais e críticos da moda Catarinense, em 1982 seu nome já aparecia em todo o estado 

como ícone  de  roupas  de  gala  e  prêt-à-porter. Com carisma excepcional, simpatia no atendimento, seriedade e dedicação no trabalho, suas roupas alcançaram a elite catarinense.

Em 1985 construiu o atelier de mais de 400m²,  para dois anos depois fundar a marca que leva seu nome. Com o passar dos anos, Gesoni Pawlick tornou-se sinônimo de bom gosto e requinte na moda catarinense, e já ganhava notoriedade por todo o Brasil, conquistando inclusive clientes em algumas partes da europa.

Arrojado e com uma equipe de mais de 50 pessoas, em 2004, abriu a Gesoni Pawlick Store, uma loja elegante e luxuosa onde vendia e alugava vestidos de noiva e festa além de ternos e smokings.

Visionário, em 2007 aceitou a parceria com a Canatiba, provando que o jeans também poderia estar presentes em festas mais refinadas. Por alguns anos criou e confeccionou algumas coleções de vestidos de alta moda usando o brim como tecido principal.

Consagrou-se na alta-costura brasileira com os exclusivos vestidos de noiva e debutantes bordados em cristais europeus e aplicações de rendas francesas, italianas e nacionais de alto padrão. Possuia clientes nos EUA, Londres, Itália, França e Singapura, além das clientes que levavam seus vestidos para se casarem em outros países.

Ícone da haute couture brasileira, todo o empenho e dedicação foram reconhecidos em revistas, jornais, prêmios e menções que recebeu ao longo dos anos, como o troféu Super Cap de Ouro, Alan Braga em 95 e 2004, Melhores de SC 2004, Vestido do Ano pela Inesquecível Casamento, e tantos outros, inclusive no exterior com a coleção inspirada em Dubai.

Seus desfiles luxuosos e de extremo bom gosto, eram marcados pela ousadia e acabamento impecável das peças. Teve em seu casting as top models Isabella Fiorentino, Gianne Albertoni e Ticiane Pinheiro, dentre outras celebridades que desfilavam seus vestidos em eventos de moda noiva e festa. Contou ainda com a  Princesa Paola de Orleans e  Bragança, que fechou o desfile da renomada coleção Elfos.

Mago das Tesouras, como era conhecido, Gesoni dizia que o vestido perfeito era aquele que vestia a alma, satisfazia o desejo e realizava o sonho das mulheres para um dos momentos mais importantes de suas vidas.

Via a Alta-Costura no Brasil de uma forma mais abrangente, como uma conexão cultural entre a arte, a moda e a arquitetura, colocando a forma feminina no centro deste contexto. Era um dos poucos designers que dominava todas as etapas da criação de um vestido, desenhando inclusive a maioria de seus famosos bordados.

Seu trabalho se diferenciava também no atendimento, já que fazia um número reduzido de encontros para confecção do vestido; um para criar e definir o modelo, outro para a primeira prova onde usava uma adaptação da técnica de moulage, e o terceiro e último no momento da entrega do vestido.

Gesoni Pawlick faleceu em maio de 2017, e deixou o legado de uma Alta-Costura moderna e única – singular – além de uma legião de fãs e clientes pelo Brasil todo. 

Hoje a griffe Gesoni Pawlick é levada pelos croquis da filha e estilista, Luhana Pawlick, que assumiu como gerente criativa da marca. Os vestidos de noiva e red carpet estão disponíveis na Gesoni Pawlick Store.

 “Antes de vestir uma mulher, você precisa entender sua alma…!”

Gesoni Pawlick